um guia para achar a poesia

fico triste quando a poesia se perde pela vida: quando se perde por entre os deuses, os amores, as pedras no sapato que insistem em não sair e de forma alguma não se tornam um poema, um texto, uma crônica, um negócio que você coloca em algum lugar pra alguém ler. eu fico triste quando a vida se perde por entre os poemas, mas é melhor que se perca a vida e se ache poemas do que ver a poesia escorrer pelo ralo. geralmente, limpo. quando se perde poesia, se limpa a casa. não deixe que suas panelas brilhem mais do que você, me disseram uma vez, e a gente sempre brilha pouco quando tem muito tempo pra arear panela. mas não dá pra culpar: a poesia não tem apelo, não tem prenúncio de guerra, salvação ou vida eterna – e tem gente que acha os três num deus só. acontece que é triste demais quando a poesia se perde por entre os dias e fica ainda mais triste quando a gente não consegue achar de jeito nenhum. fica ainda mais e mais triste, daquela tristeza que escorre um pouco do olho mas não chega a ser choro, quando a gente percebe que ela foi pra tão longe que nem tem como voltar, sabe? sabe quando a gente tenta achar a poesia e acha um negócio meio parecido, mas que não chega ainda a ser poesia fica ali no meio do caminho, um negócio que não chega a ser poesia, mas pelo menos já deixa a panela de molho uns dois dias, sabe? aquele negócio que não chega a ser poesia talvez seja a melhor forma de chegar na poesia, porque quando a gente começa a pensar em procurar, quem sabe, a poesia, esse negócio que não serve pra muita coisa nem garante vida eterna pra ninguém, a poesia se sente um pouco mais querida, um pouco mais bem quista, com um pouco de espaço no meio da sujeira de quem não tem tempo pra limpar porque tá procurando  poesia. e aí talvez quem sabe ela chegue. quem sabe a poesia chegue se você procurar num fundo do copo de uísque ruim ou no filtro de um cigarro daqueles que custam menos do que deveria. eu acredito que a poesia deva estar naquele bar que você parou de ir pra começar a meditar. eu tenho certeza, na verdade, porque eu encontrei a sua poesia lá da última vez que fui. ela não tava com saudade, falou foi mal de você, mas rancorosa ela nunca foi e, bem, foi um monte de bons momentos amontoados que vocês passaram juntos então eu imagino que ela, se você procurá-la, vá aceitar voltar pra você. eu sei que é um pedido meio escroto, meio arrastado, assim, sem muita poesia, mas é que eu perdi a minha um tempo atrás e consegui encontrar, aí toda vez que eu vejo alguém perder a poesia eu fico tão triste quando a poesia se perde pela vida que eu precisei vir aqui te dizer que essa meditação aí não leva ninguém pra lugar nenhum e que é nosso jeito fodido de achar poesia na própria fodeção que garante que a gente vá chegar em qualquer lugar com ainda mais poesia. e vale a pena chegar lá, já me disseram. não tem vida eterna, nem salvação, nem guerra e muito menos perdão, mas poesia tem. e disseram que, poesia, comida e putaria, lá, sempre se faz bem.

Autor: giovanna marques

percebo as coisas com atraso e escrevo tudo pontualmente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s