Categoria: prosa

  • Talvez eu só fume por causa do verbo

    Talvez eu só fume por causa do verbo. Agir sempre foi meu impulso número um. Em qualquer coisa. O impulso de fazer coisas acontecerem, de deixar algo cair, de abaixar pra pegar num pulo, de suspirar sem dar tempo de espirar. Talvez eu só fume pelo prazer de colocar o cigarro na boca e apertar […]

  • tu tá sentindo saudade demais das coisas

    essa semana minha amiga disse que eu tava sentindo saudade demais das coisas. e é claro que eu tô, mesmo. já passamos de 480 dias em casa. isso basicamente quer dizer 480 dias sem ver boa parte das pessoas que eu mais amo, inclusive essa amiga. só por aí já dá pra sofrer de saudade […]

  • em tempos normais

    em tempos normais

    em tempos normais eu teria sentado hoje, lá pelas sete da manhã, no fundo de um ônibus e teria escrito, entre uma curva e uma lombada, um texto sobre como é importante a gente ter coragem de ser. eu teria falado dos amores que já vivi, teria falado do amor que vivo, teria falado do […]

  • conta mais

    sobre mim fica sempre difícil contar alguma coisa. primeiro porque eu não sei muita coisa, segundo porque eu mudo de ideia muito rápido. deve ser por isso que eu crio personagens: adoro justificar que, no final do dia e de todas as contas – e eu com certeza farei todas -, eu adoro justificar que […]

  • lixo

    acho triste ter tanta memória com você pra jogar fora. devia ter te jogado fora faz tempo. 

  • faz tempo que não consigo escrever

    faz tempo que não consigo escrever

    faz tempo que não consigo escrever e toda vez que não consigo escrever me forço a encarar uma página em branco como quem repete a fórmula que já deu certo. era comum, antes, eu sentar e começar a escrever palavras aleatórias que, em algum momento, se tornavam amigas, aliadas, poéticas. hoje não funciona: a página […]

  • de difícil já basta a vida

    não é não ter estresse, tá ligado, é uma brisa de saber deixá-lo ir quando preciso for. e sem muito melindre: precisa? tem jeito? dá pra resolver? se é tudo não, então: não. manda embora. ergue essa cabeça, mete o pé, a coisa toda. entrei numas de que ia ser feliz a qualquer custo e, […]

  • quem é Miguel?

    fui mexer numas caixas cheias de coisas velhas que poderiam estar no lixo e lembrei porque não estavam e é difícil jogar fora tudo que trouxe a gente até aqui – e é ainda mais difícil quando nosso passado parece novidade. olha ali, olha lá, olha o jeito que falei desse cara, ele era um […]

  • não tem beleza

    a destruição não é bonita. foi isso que eu quis responder. não tem nada de bonito em querer morrer, nem em ser drogado punk rockeiro. nada bonito em querer ser amórfico inescrupuloso imprudente estridente não tem nada bonito em não ser comprometido nada bonito em largar tudo por aí não tem nada bonito em sentir […]

  • me deixa pra lá

    eu tenho pra mim que tem coisa que não dá pra deixar pra lá. tem coisa que a gente tem que gritar. falar que não dá, mostrar que assim não pode. bancar a voz. subir no palanque. dar a cara à tapa. afundar o tapa. concordo. assino embaixo. vamo. mas aí tenho pra mim que […]